Menu
Ícone: Posts

Um dia memorável no Jalapão

14 de Abril de 2016

Depois de conhecer uma série de cachoeiras incríveis pela Chapada dos Veadeiros, chegou a hora de por os pés na estrada e percorrer os mais de 500 quilômetros em direção ao próximo destino de nossa viagem: o Jalapão. O trajeto em si não foi fácil; rodovias esburacadas e tão mal sinalizadas que, por mais incrível que possa parecer, me deixaram com saudades das de Pernambuco, além de estradas de terra intermináveis que nos presenteou com um pneu furado e muita dor de cabeça (já que o estepe do 4×4 que alugamos também estava furado), mas isso é assunto para um outro post…

É verdade que tais problemas acabaram nos custando dois dias a menos por aquelas bandas mas, mesmo com todos os perrengues do percurso, o que posso dizer é que as belezas do Jalapão fizeram tudo valer a pena! Lá, tive experiências incríveis que nunca tinha presenciado como, por exemplo, o “chão sem fundo” do fervedouro que me fez sentir como se estivesse numa areia movediça mas que ao mesmo tempo brotava água e empurrava você pra cima; um banho gelado e embriagante (mas isso foi culpa de toda cerveja que tomamos lá mesmo) na belíssima cachoeira da formiga e o pôr do sol mais bonito de toda minha vida em suas dunas no meio do nada.

Parece até meio paradoxal, mas foi ao me encontrar assim em um lugar tão remoto que nem sinal de telefone tinha que meu lado nerd se viu admirado com todo o poder que contamos nesses pequenos computadores que carregamos pra cima e pra baixo em nossos bolsos, particularmente depois de usufruir dois aplicativos.

Eu sei que o Google Maps é maravilhoso e tal mas já tentou usá-lo sem sinal? É um verdadeiro fiasco. Foi nessa situação que pudemos contar contar com o incrível Maps.me já que, ao baixar previamente os mapas que você precisará, ele utiliza apenas o sinal de GPS para lhe mostrar rotas e caminhos. Ele é tão maravilhoso que até trilhas a pé para chegar em certas cachoeiras estavam mapeadas! Tal recurso ainda nos fez inesperadamente economizar um dinheirinho pois podíamos abrir mão de pagar uma pequena fortuna aos guias locais.

O outro aplicativo que provou todo o seu potencial foi o Google Photos por dois motivos em particular: o primeiro é sua capacidade em armazenar as fotos na nuvem. Sempre que chegava em uma pousada com WiFi, aproveitava a oportunidade para fazer o backup de todas as fotos e vídeos do dia, para o terror dos outros hóspedes que se deparavam com uma rede congestionada. Saber que as fotos estavam sã e salvas em algum datacenter obscuro no mundo me davam a confiança necessária em por em risco o meu telefone me embrenhando no meio da mata e d’água em busca de registros ainda melhores.

A segunda coisa no app que me deixou maravilhado foi os vídeos automáticos que o assistente cria juntando suas fotos e vídeos do dia. Tudo no vídeo acima, desde a edição, passando pelos efeitos e trilha sonora, foi feito usando apenas tal maravilha tecnológica tão cheia de potencial que me fez perguntar quando o Google terá uma rede social bacana para compartilharmos esse tipo de coisa lá, sério. =P

No fim, a jornada por Jalapão me fez valorizar ainda mais certos fatores da vida: a natureza, a amizade e a tecnologia. Aquele já tradicional aperto de mão e até a próxima aventura! O/